LUA CHEIA EM AQUÁRIO

SEXTA-FEIRA, 23 DE JULHO DE 2021


A manhã de sexta começa com o desafio de Mercúrio, a Lua capricorniana, ao encontrá-lo, silencia.

A fluência do que se sente com o que se fala fica desafiadora, e possamos perceber uma maior dificuldade em desenvolver uma linha de raciocínio. Para o primeiro horário, é interessante definir muito bem as tarefas e executa-las com pausas, além de evitar fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo.

Logo em seguida, com o bom aspecto de Netuno, podemos preferir o ato de contemplar e se conectar ao mundo dos sonhos.

Sempre quando temos um aspecto de Netuno pela manhã, penso em tocar os processos como um ritual sútil.

Sem forçar a barra. Acordar, preparar o café, tomar um banho com uma música que te inspire, acender um incenso e até mesmo fazer uma prece.

Respeitando e se encontrando com o silêncio.


Nesse ritmo, a Lua caminha para o ingresso em Aquário e para a fase cheia, mas antes, Plutão tem um recado.

Além das reviravoltas plutonianas, e dos acessos a emoções muitas vezes reprimidas, podemos nos perceber compulsivos ou obsessivos com algo.

Expurgar ou remoer. Caminhos existem, mas cada um escolhe o percurso dentro de suas alegrias, dores, necessidade, coragem e motivos.


Ao chegar em Aquário, a Lua se opõe ao Sol, oposição são duas forças puxando cada uma para um lado.

A Lua transborda Luz, é chegada a fase da colheita.

Eixo Leão e Aquário, você sabe dizer quem você é quando se vê em um grupo? Dança conforme a música a ponto de se perder de si mesmo?

Aquário e Urano, regem a Astrologia, esse estudo e entendimento que somos parte de uma grande rede universal.

Somos muitas estrelas, brilhamos em nossos lugares, mas não estamos sós. Quando nos perdemos de nós, perdemos nosso brilho, ficamos apagados, mas também de nada adianta ser uma estrela brilhando sozinha, até porque, como estaríamos compondo esse “céu”?

O Sol é uma estrela, irradia luz, calor, nos permite viver, ter clareza e enxergar.

A partir da fase cheia, a Lua começa a perder seu brilho, por isso a importância de cultivar o que você realmente é, para no escuro ou no meio de um grupo, você não se perder de si mesmo.❤️

Leitura feita por Bruna Barella e Guilherme Schultz