SOL EM PEIXES, LUA EM CANCÊR

SEGUNDA-FEIRA, 22 DE FEVEREIRO DE 2021


A Lua na calada da noite, sai da atividade mental geminiana, após dias de conversa, e procura conforto no signo que representa o seu lar, Câncer.

E assim passamos a noite e amanhecemos o dia, com os Luminares, Sol e Lua, navegando no universo das águas.

Um dia que pede por silêncio e conexão com o nosso sentir.

A Lua em Câncer é pura emoção e acolhimento. É tirar o sapatos e entrar no ambiente que protege.

Nesse fluência, ambos fazem um intercâmbio de energia, a razão e a emoção pedem para ouvirmos o que tanto a intuição diz.

Peixes vê o que não é visível a olho nu, Câncer pede por conexão com as raízes.

Ambos possuem cada um de sua maneira a qualidade da compaixão e da sensibilidade.

Dias de acolhimento, de contato com o lar, lar físico e também o lar que não tocamos. Aquele onde paira nosso inconsciente.


Com um céu sensível, a dica é elevar a energia. Se permitir estar onde suas emoções sintam-se seguras, onde a frequência traga contemplação e paz de alma.

Evite locais pesados, conversas e pessoas perturbadoras, pois estaremos hipersensíveis e com as emoções inconstantes.

O Sol, nossa consciência, está conectado com um signo que segue a vibração.


Temos também um encontro fluente de Lua com Urano, que de tanto sentir se empenha nas revoluções que te trazem liberdade e independência.


Para concluir o texto, aproveitando que Sol e Lua estão em signos de elemento Água, divido um trecho do livro Astrologia, Psicologia e os Quatro Elementos do Stephen Arroyo, onde ele cita John Blofeld:


“Entre todos os elementos, o Sábio tomaria a água como seu preceptor. A água é submissa, mas conquista tudo. A água extingue o fogo ou, vendo que pode ser derrotada, escapa como vapor e toma nova forma. A água carrega a terra macia ou, quando desafiada pelas rochas, procura um caminho em torno...Satura a atmosfera de modo que o vento morre. A água cede passagem para os obstáculos com uma humildade enganadora, pois nenhum poder pode impedi-la de seguir o seu caminho traçado rumo ao mar. A água conquista submetendo-se, nunca ataca mas sempre ganha a última batalha.


Que sejamos sábios como a Água, que quando ameaçada, sabe instintivamente como tomar uma nova forma.


Leitura feita por Guilherme Schultz e Bruna Fernandes