VOCÊ SABE QUANDO ESTÁ ENVOLVIDO PELOS EXCESSOS?

QUINTA-FEIRA, 25 DE MARÇO DE 2020



A Lua segue na energia leonina, e nessa frequência ela tenta reinar praticamente sozinha, digo praticamente porque ela faz um único aspecto que nos convida a mentalizar o quanto nos satisfazemos com o que temos.


Em um intercâmbio desafiador, Lua encontra Júpiter. Ela segue na qualidade leonina, buscando seu reinado, mas se depara com os excessos do ego e excessos das emoções.


Vamos dedicar um tempo para entender um pouco melhor sobre Júpiter?


Júpiter é conhecido como o grande benéfico, a providência divina, aquele que tudo que toca faz expandir, mas tudo no universo possui dois pólos, assim como nós que fazemos parte dele e possuímos nossa luz e nossa sombra.

E Júpiter quando encontra um aspecto desafiador, ele pode expandir sem controle. Nessa frequência, um dos resultados é sentir a falta daquilo que já temos! Doido isso não é?


Aprofundando, é como você já ter uma bela casa, viver muito bem, poder comprar o que deseja e ainda assim se sentir vazio ou, ter amor, acolhimento, e mesmo assim sentir carência.

E como procuramos satisfazer essa sensação de “saco vazio”? Compramos mais, em especial o que não precisamos, gastamos mais e sem planejamento, comemos mais, bebemos mais, falamos mais, tudo em uma escala maior e acima da média.

A grande questão é que no fim, podemos ainda nos sentir vazios.

É um clichê, mas faz todo sentido, o excesso esconde uma falta.


Portanto para hoje, a atenção fica no entendimento e conexão com o agradecimento por tudo que já possuímos.


Ter cuidado com a fala, com as piadas fora de hora, com a sensação de sermos donos da verdade e com os excessos de todos os tipos que podemos buscar para suprir o que tanto procuramos FORA DE NÓS.


Portanto, um dos passos mais importantes com essas sensações é se voltar para dentro e achar seu ponto de equilíbrio.

Concluímos o texto de hoje com a reflexão de Epicuro: “Um homem é rico em proporção às coisas que ele pode dispensar.”

Saiba encher o copo, mas cuidado com os transbordamentos.

Leitura feita por Guilherme Schultz e Bruna Fernandes